Como escolher Cloud Computing

Após um grande crescimento de procura por servidores Cloud Computing (Cloud Server) passou-se também a existir um grande volume de “sites” oferecendo o serviço, chamo de “sites”, pois muitas dessas empresas não possuem um registro legal de comercialização como CNPJ e até mesmo estrutura física, muitas vezes isso pode parecer inofensivo para os que conhecem do assunto, porem um ótimo analista de TI pode saber claramente identificar esta e outras falcatruas que muitas vezes são realizadas por pessoas físicas que não detêm um controle absoluto dos servidores ou até mesmo poderão prestar um suporte qualificado.

Pensando nestes fatores a ServerMedia classifica 6 pontos básicos na contratação de seu Cloud Server:

1. Consulte sempre um analista de TI de sua empresa ou mais próximo, eles poderão auxiliar na contratação de qualquer serviço ligado a internet, os analistas de TI formam um papel principal para colaboração na melhor escolha.

2. Verifique se a empresa possui CNPJ.

3. Verifique se a empresa tem total controle dos Servidores Cloud dos quais ela comercializa, só assim ela pode prestar um suporte qualificado.

4. Questione a localização da empresa e caso tenha dúvidas verifique se realmente o CNPJ da mesma está vinculada ou não no endereço citado no website, existem muitas empresas que utilizam CNPJ até de docerias para comprar um domínio e comercializar host.

5. Verifique a disponibilidade de backup dos arquivos de seu site ou Cloud Computing, questionando o departamento comercial e de suporte.

6. Fale com seu analista de sistemas para realizar um teste de latência no ip dos servidores.

Caso você siga esses 6 pontos principais para a contratação do Cloud Computing sua empresa vai obter um serviço de qualidade gerando uma soma incrível para seu negócio online com tranquilidade, estabilidade e segurança.

Você já conhece o Cloud Pro ServerMedia?

O Cloud Server Professional na maioria das vezes é utilizado por empresas de pequeno ou médio porte que desejam hospedar um conteúdo online de forma rápida, estável e segura. Contamos com uma estrutura em diversos datacenter’s em pontos estratégicos no mundo e nossa conectividade conta com 9 Datacenter’s localizados em Miami, Seattle, Salt Lake City, Phoenix, Chicago, Dallas, Atlanta e Brasil, nossa conectividade & estrutura disponibiliza no Servidor Cloud Pro possui alta conectividade e disponibilidade, garantindo o crescimento do seu negócio.

 

 

Leia Mais

Como montar uma TV Online

Para iniciar suas transmissões com sucesso de streaming de vídeo, é preciso apenas uma conexão de internet banda larga estável em conjunto com um software de transmissão que irá cuidar do processo de envio da mídia emitida na geradora diretamente para um de nossos servidores.
Feito os procedimentos mencionados nesta página, basta apenas escolher a qualidade de transmissão desejada em nosso site e certifica-se que sua conexão é capaz de realizar as transmissões na qualidade escolhida.
Em caso de dúvidas de compatibilidade de conexão, basta apenas entrar em contato conosco através de nosso Chat Online, telefone ou info@servermedia.com.br.

exemplo de tv online

Leia Mais

Procuram-se Gerentes de Projetos

A sigla “CHA” vem sendo usada no universo de Recursos Humanos, representando Conhecimento, Habilidades e Atitudes. O Conhecimento é relacionado ao “saber” – conceitos, teorias, ferramentas e técnicas; em contrapartida, as Habilidades estão relacionadas em “fazer” – experiências já realizadas, vivências, domínio prático e contínuo de um determinado tema. Finalmente, as Atitudes relacionam-se a algo mais sutil, que são inerentes a cada pessoa, englobando os valores, os aspectos de motivação, colaboração e carisma.

A autora Maria Odete Rabaglio, em seu livro “Seleção por Competências” (Educator, 2001) sintetiza o CHA em: “C” de “saber” (escolaridade, conhecimentos técnicos, cursos gerais e especializações), “H” de “saber fazer” (experiência e prática do saber) e “A” de “querer fazer” (ter ações compatíveis para atingir os objetivos, aplicando os conhecimentos e habilidades).

A contratação de um profissional em uma organização é algo dispendioso em termos de tempo e de custos, porém, deve ser encarado como um investimento, pois uma boa contratação pode trazer resultados positivos para a organização (diretos e indiretos), para a equipe e para os projetos. De modo análogo, uma contratação inadequada, além da perda de tempo, frustrações, eventuais prejuízos financeiros, pode também, comprometer prazos em projetos, trazer riscos e impactar negativamente o clima organizacional.

Na atualidade, as contratações de gerentes de projetos têm caminhado pela busca de profissionais certificados na área de gerenciamento de projetos e/ou profissionais pós-graduados na área. Esses requisitos têm se mostrado atraentes para as duas partes, pois as organizações se sentem confortáveis e seguras com essa abordagem e os profissionais têm buscado se desenvolver por meio de cursos específicos e se certificar junto a órgãos internacionais.

Um profissional certificado, por exemplo, PMP (Project Management Professional), que é a certificação mais divulgada no país, emitida pelo PMI (Project Management Professional) garante às organizações contratantes que o profissional certificado tem “conhecimento” na área. Para obtenção do certificado, o candidato é submetido a uma prova de 200 questões, com duração de quatro horas, englobando todas as disciplinas de gerenciamento de projetos. Esse certificado também evidencia que o candidato tem “experiência” (habilidades) na área, pois para realizar o exame é exigida uma quantidade mínima de horas de atuação em gerenciamento de projetos (4.500 ou 7.500 horas, dependendo se o candidato tem curso superior completo ou não). Ademais, a certificação mostra que o profissional está atualizado, pois para a manutenção do certificado, a cada três anos, o profissional deve comprovar contínua atividade na área, sob pena de perder a certificação, caso não o faça. Da mesma forma, um curso de pós-graduação em gerenciamento de projetos evidencia que o profissional tem amplo conhecimento teórico do tema, uma vez que os esses cursos devem ter no mínimo 360 horas de duração, com profunda abordagem nas disciplinas de gestão de projetos, suas técnicas e ferramentas.

Os certificados de conclusão de cursos de pós-graduação, as certificações emitidas por institutos internacionais, os Curricula Vitae, as páginas de Linkedin podem evidenciar conhecimentos e habilidades do candidato, mas não suas “Atitudes”. Submeter um candidato a provas e testes, podem se tornar desnecessários nesse cenário, uma vez que medirão, sobretudo, “conhecimentos” e “habilidades”.

Com o objetivo de capturar algumas das “Atitudes” de um candidato, a forma indicada é por meio da realização da velha e tradicional entrevista. A autora DeAnne Rosenberg, em seu livro “Contratando a melhor pessoa” (Negócio Editora, 2001) destaca que os três itens mais importantes para o sucesso de longo prazo (em geral, pouco considerados em uma entrevista), são: a aptidão do candidato para aprender, seus valores e sua aptidão cognitiva.

Na obra, Rosenberg apresenta técnicas e ferramentas para realização de entrevistas, ressaltando da importância de: (1) estabelecer desde o início do encontro um ambiente propício a uma conversa; (2) o “saber ouvir” do entrevistador; (3) elaborar perguntas fechadas e abertas, em consonância com o objetivo do questionamento, além de perguntas do tipo “e se…”, ou mesmo “qual foi a sua situação mais desafiadora…”. A autora alerta que os valores se constituem em um componente básico do pensamento estratégico e da solução de problemas, por isso, deve existir uma confluência mútua entre os valores pessoais do candidato e os partilhados na organização contratante.

É fundamental se ter gerentes de projetos com “Atitudes” consistentes com os valores da organização, uma vez que esse profissional tem responsabilidades com os stakeholders do projeto (patrocinador, equipe, usuários, clientes, fornecedores, e por vezes, a comunidade, a mídia), resolvendo conflitos, comunicando-se constantemente, negociando e estabelecendo relações de confiança.

Assim, para contratação de um gerente de projetos, pode ser uma condição necessária que o candidato tenha concluído uma pós-graduação em gerenciamento de projetos e/ou ser detentor de uma certificação internacional, porém, nunca será condição suficiente. A criatividade, o equilíbrio emocional, a imparcialidade, o trabalho em equipe, a disponibilidade, o empenho, a agilidade, o entusiasmo, a colaboração e a ética são elementos indispensáveis a um profissional orientado a resultados e com Atitudes com “A” maiúsculo, propiciando assim, crescimento à organização, a seus subordinados e pares.

Leia Mais

A explosão da TI a favor da agricultura de multicultivo

O Brasil observou nas últimas décadas um processo consistente de modernização da Agricultura, com a adoção tanto de máquinas de última geração quanto de ferramentas de Tecnologia da Informação (TI) para gestão informatizada das lavouras. A mecanização e a informatização, aliadas ao fortalecimento do setor, foram motores da consolidação de um segmento internacionalmente notável pela produtividade, eficiência e competitividade.

Na agroindústria brasileira, porém, coexistem dois mundos. Por um lado, nas atividades sucro-alcooleiras, de fruticultura e de citricultura há alto grau de maturidade no uso de TI. Por outro, faltam cultura de gestão e ferramentas informatizadas para otimizar esse processo na área de multicultivos, como na produção de grãos.

A indústria sucro-alcooleira foi pioneira na adoção da tecnologia no País. Hoje, a maioria dos participantes desse mercado conta com soluções conectadas às últimas tendências de TI, como Mobilidade e Business Analytics. A partir de um tablet, produtores controlam os períodos de preparo do solo, plantio e colheita, além da aplicação de defensivos agrícolas e do controle fitossanitário da lavoura. Esse processo está interligado à consolidação do mercado de açúcar e álcool, atualmente concentrado em grandes grupos no Brasil.

A concorrência internacional pressiona o produtor de soja, milho e algodão rumo à TI, vista cada vez mais como uma aliada em prol da produtividade e da economia de dinheiro e de insumos. Está em curso uma mudança cultural: o despertar para a importância da gestão como um todo para o sucesso do negócio.Começa agora um desafiador movimento de adoção de tecnologia pelos subsegmentos de soja, milho e algodão. Se os grandes produtores de grãos já firmaram-se em empresas, ainda há um longo caminho a percorrer quando se olha para os médios e pequenos. A relação desse fazendeiro com a terra é tão natural e próxima que, por vezes, perde-se a dimensão de que aquilo é um negócio. O controle da lavoura acaba sendo feito de forma manual ou em planilhas simples, ignorando os ganhos que um sistema informatizado e integrado traz.

Em um setor de commodities, comercializadas a preços fixos, ganha prioridade a gestão eficiente dos custos de produção. É imperativo usar melhor os insumos e o capital humano para manter e aumentar a margem de lucro.  A TI integra sistemas e permite a atualização, consulta e análise de informações sobre a produção de forma rápida, sistematizada e confiável. Na prática, a tecnologia evita o desperdício e acelera a execução de tarefas. Tudo isso baseado em planejamento, controle e monitoramento.

Leia Mais